Só precisa crer

Lembra quando os discípulos atravessavam o mar da galiléia num barquinho? (Lucas 8:22-25)

Jesus dormia no momento em que grande tempestade os surpreendeu.

O agitar das ondas era preocupante e o vento era quase devastador, atordoados pelo problema, todos os discípulos acordam Jesus, gritando: “Senhor! não percebe que estamos para ser mortos?”. Ao passo que Ele se levanta e, repreendendo ventos e ondas, torna tudo bonança…

O que, geralmente, prende a nossa atenção é o maravilhoso e miraculoso poder de Jesus, demonstrado no poder de repreender ventos, tempestade e acalmar a fúria do mar bravio… Porém, além da repreensão da fúria da natureza, há uma repreensão que é o propósito daquela demonstração de poder de Jesus: “Onde está a vossa fé?”

Esta pergunta questiona o fato de eles não terem confiado que Ele estava presente. É como se estivesse a demonstrar-lhes que se tão somente confiassem, não seriam abalados, independente da tempestade. A necessidade de uma demonstração de poder revelou a falta de fé deles.

A verdadeira fé não é aquela que precisa de comprovação por milagres. Aliás, é uma deturpação da verdadeira fé evangélica o que estes pseudo-apóstolos, pseudo-bispos e pseudo-pastores têm ensinado sobre a fé. A fé verdadeira não precisa ser comprovada por milagres, mas deve ser fruto da confiança de que Deus está presente, independente das circunstâncias boas ou ruins pelas quais passamos. Leia em Hebreus 11:1 e reflita!

Nas  tempestades dos meus problemas sou forçado pela minha insensatez a questionar a aparente falta de ação de Deus. Tenho vontade de gritar como os discípulos! Mas como tenho este registro inspirado, já sou pré-repreendido por pouca fé caso venha a fazer isso.

Sabendo disso tenho grande amparo!

Não é que a fé me fará repreender as ondas e ventos das circunstâncias tempestuosas, mas me dará paz de saber que, ativo ou não para a minha humana percepção, Deus está no barco da minha vida e me dá sustento pela realidade de Sua presença.

Ele está presente! É o que nos basta!

A admiração gerou, no final, uma pergunta entre eles que mostra que estavam (como nós) começando a conhecer o Senhor (v.25).

Eu não preciso me admirar de seu real poder de me curar instantaneamente, se Ele quiser, pois sei em quem tenho crido.

Será que precisamos presenciar milagres para crermos?

Não! A presença dEle é contínua e verdadeira! Isto basta!

Creia!!

Via Texto no Contexto