Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo – “Todo aquele que crer, ainda que morra, viverá” (Jo 11,25)  
   “No tempo de Jesus, a Páscoa judaica congregava em Jerusalém os fiéis de Moisés para a imolação do cordeiro Pascoal; ela comemora o Êxodo que libertou os hebreus da escravidão egípcia. Os judeus celebram sua libertação do jugo estrangeiro e esperavam um messias libertador nacional, enquanto que os cristãos festejam a libertação do pecado e da morte, unem-se ao Cristo crucificado e ressuscitado para partilhar com ele a vida eterna, mantem sua esperança para a sua parusia gloriosa. A salvação aparece como uma nova criação, um êxodo irreversível, uma vitória total sobre o mal, o paraíso”. 
 “O enviado de Deus encarregado de instaurar essa transformação do mundo não é outro senão o Messias (Is 11,1-9), de sorte que a cada noite pascoal os judeus esperam sua vinda. E Jesus, o Messias vem para  tomar parte na Páscoa judaica. Jesus pronuncia palavras e realiza atos que pouco a pouco mudam seu sentido. Temos assim, a Páscoa do Filho único, a  Páscoa do novo Cordeiro, no qual Jesus toma o lugar da vítima pascal, institui a nova refeição pascoal e realiza seu próprio êxodo, “passagem” deste mundo pecador para o Reino do Pai” (Jo 13,1).

 “Nas bênçãos rituais destinadas ao pão e ao vinho enxerta Jesus a eucaristia, e dando a comer seu corpo e a beber o seu sangue derramado, ele descreve a sua morte como o sacrifício da Páscoa da qual ele é o novo Cordeiro ( Mc 14,22-24 p). Jesus Cordeiro, sua imolação e a morte na cruz, verdadeira vítima pascal ( Jo 1,29 . 36 ; 18,28 ; 19,36).  Segundo as sua próprias palavras, Jesus realizou (cumpriu) verdadeiramente a Páscoa pela oblação eucarística de sua morte, por sua ressurreição, pelo sacramento perpétuo de seu sacrifício”.
 Jesus morreu para que todos que creem n’Ele tenham vida, vida eternamente. O mistério pascal terá para o cristão seu arremate com a morte, a ressurreição e o encontro com o Senhor”.
Reflexão: “Com Cristo, viveremos o mistério da Páscoa morrendo para o pecado e ressuscitando para uma vida nova (Rm 6,3-11). Todos os cristãos são chamados a participar da Ceia do Senhor, o banquete eucarístico: “alimento necessário e dom de Deus em sua própria materialidade, o pão que o fiel cada dia pede a seu Deus pode significar, com o desenvolvimento da fé, a Palavra divina  e a Pessoa mesma do Salvador imolado, que é o verdadeiro pão do céu, o pão da vida, vivo e vivificador”. (Jo 6,32.35.51).  Segundo São João, Jesus revela o sentido deste milagre afirmando que é o pão verdadeiro (Jo 6,32s).
A páscoa terrestre o prepara para a última passagem, a Páscoa celeste, o banquete celeste para o qual todos caminhamos”.

 Fonte: – As Escrituras, a Bíblia.             – Vocabulário de Teologia Bíblica – Editora Vozes.             -Imagens: Semana Santa jpg – O Sepulcro vazio jpg